quinta-feira, 29 de julho de 2010

Periferia

Para Celso Athayde


Tenho medo de morrer
Mas queria morrer
Com o peito cravejado de balas


Com o peito cravejado de balas
Eu morreria, apesar do medo,
Se fosse preciso salvar uma criança

Se fosse preciso e eu tivesse coragem
Salvaria uma criança e morreria
Com o peito cravejado de balas


Se uma criança fosse ameaçada
Diante de mim eu veria a morte
E meu peito cravejado de balas


Não seria a coragem, nem o destemor
Nem seria eu heroína ou mártir
Antes do peito cravejado de balas

Tenho medo da morte
Tenho medo da hora da dor na morte
Tenho medo de estar sozinha com uma criança
Que precise de minha coragem
Mas algo me diz que neste dia
Estarei ali, de corpo e alma.

3 comentários:

Chorik disse...

Uau, parece um rap.

Viva Celso Athayde, MV Bill, Rodrigo Felha e outros tantos que estão fazendo a diferença.

Eliana Mara de Freitas disse...

Meu querido, Chorik.
Acabei de pensar agora que preciso te visitar.
E não vai dar pra ir hoje.
Estou desligando as turbinas.
Mas sempre vale te dizer que você está comigo, amigo e leitor fiel, de um jeito que é abrigo.

Beijos

Maria Muadiê disse...

isso!