terça-feira, 12 de maio de 2009

Endereço

Se houvesse mesmo isto que se chama alma, gostaria de encontrar me lá, onde sou apenas isso. E podendo escolher, alma seria o espaço do nada. Sem luzes, sem temperatura, sem qualquer oscilação. Se minha alma fosse uma casa, em forma de círculo, sem surpresas e sem datas comemorativas. Meus pés equidistantes. Meus braços suficientes. E nenhuma fome, nenhum tipo de desejo ou gula. Varais vazios, nuvens sem contorno, nada de chuva, nada de sol, nada de nada. Alma, casa vazia, sem dor nem gritos. Alma, casa de nenhuma espera.

8 comentários:

Anônimo disse...

E se fossemos morar juntos na rua? E se nada disso importasse? E se eu, desenhansse uma casa de giz na parede para pensarmos que ali, na rua, aquela fosse nosa casa?

Vem para a rua comigo e traga o puppy.

carol disse...

Hoje, minha alma seria uma casa bem parecida. Lindo texto, belo blog ;-) bjs

Chorik disse...

Ei, amiga, não se avexe com a sensação da distância, nem pela breve ausência. Continuo te lendo como antes, apenas não tenho comentado pois me perco um pouco entre tua fantasia e tua realidade e aí me calo.
Bj

Mr. Almost disse...

Eliana...

Não diga isso... Uma cama sabe tão bem! Ok, ok, um sofá, pronto!... E desejo.

Eliana Mara Chiossi disse...

Anônimo: morar na rua é uma forma de falar... Mas com o Puppy, tudo é possível


Carol, penso que as casas da alma são esfinges. Bem vinda!


Chorik, faço minhas as suas palavras. Eu também me perco um pouco entre a fantasia e a realidade. Prefiro quando você deixa um sinalzinho de presença, mas isso tem a ver com o carinho e a amizade. Enquanto leitor, você tem toda a liberdade, claro.


Mr. Almost, gracinha, e você sabe que pensei em como seria na cama com um rei???

Andréia M. G. disse...

Eliana,

Sempre que venho aqui também me confundo um pouco com a ficção e a realidade que sobressaem de seus textos. Não sei se virou mania por estar estudando sobre o assunto, mas como você mesma escreveu no blog, se parece real, é porque assim nos parece... O bom disso tudo é que sempre tenho o prazer de fazer boas leituras. :-)

Anônimo disse...

Engraçado, Andréia, sempre me confundo...será sintomático!

Leti Montenegro disse...

Li, escrevi um texto depois que li o seu. É uma resposta literária. Leia, acho que você vai gostar. Vou na contra-mão do texto, mas não da autora.

Beijos felizes,