quarta-feira, 17 de dezembro de 2008

Fortaleza

Na ilusão sensível de último estágio do frio, há um calor assustado, quase sem forças. E o que queima é a contradição ali exposta. Barreira quase transparente onde tudo que existe se acalma. Amor assim, gelo queimando a superfície mais amiga. Amor no outro extremo: nem ódio nomearia. Amor, giro completo. Outro ponto de partida na fervura avessa.

14 comentários:

rm disse...

Ei baianinha,
escrevi uma coisinha inspirado nesse seu texto lindo:

http://verbofeminino-rm.blogspot.com/2008/12/fsica-newtoniana.html

Janaina Amado disse...

Oi, Eliana! Voltei aqui, li vários dos seus textos sensíveis, bonitos, originais. Gostei!
PS - Você também é baiana?

Isabela disse...

Obrigada, querida, pela linda mensagem! Adorei seu texto, seu blog, enfim, alimento para o espírito...
Beijos,
Isabela

Luciana G. disse...

Pronto, tô derretida! rs

Beijos, beijos, beijos!

Chorik disse...

Eliana, esses seus textos vêm de onde? Bjs

GMV disse...

Vou ter de voltar com mais calma...

obrigada pela passagem.

Denise do Egito disse...

Eliana, seu talento me inspira!
beijos

sp disse...

Obrigado pela visita!
Voltarei...
Um abraço

Nadezhda disse...

Todas as coisas aqui são de sua autoria? Se forem, parabéns ;)

Graça Pires disse...

Venho desejar um Natal cheio de Amor e de Esperança.
Um beijo.

Hariane disse...

Quanta sensibilidade só poderia dar fruto a este texto belíssimo.

Bj

Chorik disse...

Eliana, posta sim, queremos vê-lo por aqui, porque não? Afinal, o mundo tem inscrições sempre abertas!
Aproveitando, um Feliz Natal procê e pros teus, especialmente pro Miguelzinho!
Bj

Ariane disse...

Um pouco de paradoxo barroco é sempre bem-vindo e com a tua sensibilidade percebo suavemente que somos um e outro, dúbios, principalmente agora que minha vida se faz avessa e com isso consigo ver a diversidade em convívio.

Beijos querida!

Miguel Barroso disse...

Muito belo o poema. Fi-lo meu, no meu coração.



Abraços d´ASSIMETRIA DO PERFEITO