terça-feira, 2 de setembro de 2008

Termômetro

No supermercado ao lado começaram a vender alegria em pacotes. Para acompanhar as bebidas, as mentiras, os objetos falsos com que as pessoas acreditam em si mesmas. Numa das prateleiras do supermercado ao lado, estão vendendo também mitos, estórias de ninar, ilusões azuis e conforto em tons de rosa. Para quem tem medo da tristeza, há diversos óculos protetores. Comprando um kit de felicidade diurna, você ganha protetor contra o medo terrível da solidão que invade a sala e fica colada nas paredes do seu quarto. Quando em mim algo sorri, é o mundo todo que se transforma. Porque gosto de rir inteira. Gosto de me entregar aos abraços quentes de quem me ama. Gosto de saber gemer de prazer se o prazer me acontece. Gosto de me lambuzar com o sorvete, gelado e no meu sabor preferido. Sou capaz de tirar os sapatos que me apertam na festa mais chique. No supermercado ao lado, vendem comprimidos para quem precisa aprender a sentir. Eu, quando estou triste, até me convenço. Sou triste completamente. Mas quando você me encontrar feliz, nem adianta chegar vacinado.

3 comentários:

G disse...

'supermercado', não 'supermecado'. beijo

Eliana Mara disse...

G,
meu querido

que venham todos os supermercados mal grafados, para eu saber da tua presença, cuidadosa e refinada.

Beijo também.

(corrigido, gracias!)

Celine disse...

Lindo, que delicia de texto!
E ninguém quer estar vacinado. Quero me contagiar de felicidade de corpo inteiro.
beijos beijosssss