quinta-feira, 31 de dezembro de 2009

Feliz Ana e Eliana

Não. Não é a lentilha, nem a calcinha nova, Ana. Nada disso. O brilho trabalhado na blusa sofisticada ou os fogos vistos na beira do mar. Ana, tudo isso é a nossa miragem. O que é nosso, e sempre será, é este naufrágio. Um navio, este sim, nos espera, como se fosse um soldado. Cumpridor de nossa sina. O soldado que espera nossa rendição, afinal de contas. O soldado triste, enfadonho, chateado, cansado mesmo de nossa indecisão. Tão cansado também de si mesmo, que decidiu que irá nos seguir, para sempre. Vai levar nossas bagagens vazias, vai levar nossas roupas mal escolhidas, a maquiagem borrada e os sapatos que não combinam. Onde estãos as escovas de dentes, Ana? Você esqueceu de trazer aspirinas. Mas sabe bem que as nossas cabeças serão cortadas. Finalmente, Ana, quando as guilhotinas, simétricas e combinadas, descerem sobre nossas cabeças, neste momento em que estaremos de mãos dadas, nada mais vai naufragar, nem encharcar, nem ferir, nem pousar como inseto sobre nossa pele tão fina, tão infinitamente delicada. Feliz ano nunca novo, Ana, amiga única de dor e esquecimento.

8 comentários:

Lidi disse...

Feliz ano nunca novo, Eliana. Feliz 2010, sem mistificações. Um beijo.

Saulo Moreira disse...

Uau. Que forte ana-eli-ana.

Maria Muadiê disse...

Cadê a oficina?
beijo

Cleston disse...

O Mundo Partiu-se Em Dois, dez, mil, milhões de grãos, gotas, partículas, sub-partículas.Os grãos e as gotas viram sangue que escorre das montanhas. As partículas e sub-partículas fazem o peito apertar.
A anti-matéria é pura saudade.
Coisa perdida entre a energia e a matéria escura.
Só o gesto é novo porque se repete à eternidade.
Beijo.

André Galvão disse...

A poesia de suas palavras é tão intensa que chego a torcer para que tudo o que escreveu seja apenas uma fantasia ficcional.
Fantástico!

Marcelo Nascimento disse...

Que saudades!!!!!!
Muitas saudades de está aqui no seu mundo, isso aqui me fez tanta falta, sou meio vóciado em fantasia a vida real é sem graça.

Feliz ano nunca novo, pra você Eliana.

Marcelo Nascimento disse...

Que saudades!!!!!!
Muitas saudades de está aqui no seu mundo, isso aqui me fez tanta falta, sou meio vóciado em fantasia a vida real é sem graça.

Feliz ano nunca novo, pra você Eliana.

Lana Damasceno disse...

Li... se assim posso lhe chamar.Quanto tempo saudades de você.Quando vai vim nos fazer uma visita novamente???Essa é a primeira vez que comento no seu blog, mas de hoje em diante prometo sempre deixar um comentário em seus novos textos .Afinal de contas adoro eles e foi com ele que fiz a minha estréia no Grupo Concriz.Beijos e um Feliz Ano nunca Novo.