quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

Continente

Para o poeta Marcus Vinicius


O mar todo dentro dos meus olhos
e ainda um rio, inteiro
e reunião de chuvas
composição de lagos
e ainda assim
os restos de águas nos copos
os restos de águas nas flores
os restos de água
nos meus olhos
o mar em si mesmo desenhado
nas paredes feitas de águas
nas esquinas feitas de águas
nas caixas, todas encharcadas,
e todo o charco que é o mundo
dos meus olhos.
Se houver um sol,
sob os meus papéis molhados,
futura construção:
quando algo,
finalmente,
tornar-se sólido,
água sem afeto.

8 comentários:

Marcus Vinícius Rodrigues disse...

Essa coisa linda é dedicada a mim? Nossa!! Muito obrigado. Lindíssimo.

Nílson disse...

Muito belo mesmo. Oceânico!

Noslen ed azuos disse...

Um barquinho na imensidão do mar, mas um barquinho com um coração que cabe toda a imensidão do mar.

bjs
ns

Chorik disse...

Adorei o "todo o charco que é o mundo dos meus olhos".

orlando pinhº d-silva disse...

toda água

Lidi disse...

Lindo, Eliana. Beijo.

Gerana Damulakis disse...

Lindo poema para nosso querido escritor. Ele merece.
Eliana: tenha um Natal feliz. Receba um beijo.

Mr. Almost disse...

Feliz Natal, gostosa!

Um Ano Novo 210 cheio de prosperidades, de ociosidades, e... you know... daquilo que sabe bem em todas as idades.

Beijos!