quarta-feira, 9 de setembro de 2009

Kassim e Bakari

No meio da multidão agitada, há um homem que não tolera mais tanta espera. Há horas circulando. Emoções desencontradas. Uma espécie de superstição nova o assalta: decide tomar café no mesmo lugar em que se despediram, próximo ao portão de embarque. E em pé, com olhar distraído, num gesto suspenso entre pegar o açúcar ou a colher, ouve os sorrisos ruidosos das duas mulheres. Lembra com muita nitidez do momento em que Bakari pediu a ele que cuidasse direitinho de Yeme, a gata. O vôo está atrasado. É tudo estranho , acontecimento quase irreal. Este homem quer encontrar forças. Deve estar preparado na hora dos procedimentos legais. O que ele mais teme é o olhar de Bakari. Conseguiu até agora fugir do assédio da imprensa. O aeroporto tem o movimento típico desta época. Kassim não sabe mais o que fazer para passar o tempo. Precisa ir ao banheiro. O isolamento é precário, mas útil. Tem medo de perder o controle na hora em que ela chegar. Mais uma vez, ele ensaia a expressão facial. Calcula os gestos e as frases. Quer esquecer, mas sempre volta a imagem de sua filha, sozinha no mar. Nem pode colocar os pés na terra dos avós. A única sobrevivente entre mais de duzentos corpos. Ao receber o telefonema, a vida ficou suspensa. Antes de sair de casa, chorou muito. De saudade da mulher. Não sabe o que fazer com essa tristeza desmedida. Não sabe como contar à Bakari que a mãe morreu. No entanto, tem planejamento detalhado sobre o que fazer com esta nova felicidade. E agradece por existir uma gata chamada Yeme, avós que ainda aguardam em terras africanas, e porque, afinal, é tempo de férias em Paris.





Fonte: http://veja.abril.com.br/080709/milagre-meio-tragedia-p-104.shtml

13 comentários:

Noslen ed azuos disse...

Às vezes acho que a vida é um sonho ou Deus um grande escritor.

Sumistes dos meus arredores, ainda bem que tenho o end de seus sonhos.

bjs
ns

Bernardo Guimarães disse...

mais um texto a me suspender o fôlego! este blogue ainda me mata asfixiado!

Marcelo Nascimento disse...

A cada dia fico mais impressionado com os textos do blog, seria mais apropriado dizer que a cada dia me sinto mais dependente dessas palavras mágicas que veem trazer e as vezes por em dúvida o sentido dos meus dias

muito obrigado!!!!!

Eliana Mara Chiossi disse...

Ns

Você não me viu, disfarçada de guarda-chuva vermelho????? Gosto da idéia de que Deus seja um grande escritor...

Eliana Mara Chiossi disse...

Bernardo,


você me mata de alegria com este comentário e com sua presença... O resto não sei... mas venha ficar asfixiado por aqui... Tenho que manter o nível da asfixia, então....
Beijos

Eliana Mara Chiossi disse...

Marcelo,

estou na véspera da viagem... Uma correria, como sempre... mas uma certeza me anima: que serei recebida por vocês, que teremos tempo para compartilhar, trocar idéias, fortalecer este vínculo que está começando...
Estou feliz mesmo!
Quero ver todas as flores de Maracás...

Beijos

(fico meio sem jeito de responder ao que você falou sobre os textos, mas não vou negar que gostei muito de ler).

Elide Elen disse...

Aii que lindo.
Uma ótima maneira de traduzir algo tão comum como uma reportagem para um texto belíssimo.

Nílson disse...

Muito bom! A realidade é mesmo instigante, e a sua leitura do episódio é isso: pungente!

I.Moniz Pacheco disse...

Obrigada pela sua visita e pelo belo texto sobre o mar, este meu grande e definitivo amor.
Na verdade, meus textinhos são só de brincadeira. Meu negócio mesmo é pintar, pintar, pintar e nas horas vagas, namorar o mar.
Voce sim, escreve como gente grande, textos lindos e comoventes. Fiquei fã e vou bater ponto aqui, sempre.

Chorik disse...

Eliana, o bacana das verdadeiras amizades é que elas não provocam ciúmes e não envelhecem com o tempo. Basta um reencontro e o bem-querer de sempre, adormecido pela distância, ressurge feito fênix. Fico sinceramente feliz de vê-la na Bahia conhecendo pessolmente os meus e-amigos. Continuo fascinado com tua escrita, embora uma certa doença (aquela de sempre) me impeça de visitar os blogues preferidos com a constância necessária. Fique com Deus amiga.

Otavio Valle disse...

Primeiro agradeço a honrosa visita em meu blog. Acabo de fazer a minha inscrição em seu mundo. Fantástico seu trabalho. Vai um trocadilho para o momento: também me identifiquei. Identifiquei minhas imagens e fragmentos aqui também. Já tá no favoritos e ainda na lista do blog. Vai um abraço e prazer. Otavio

Janaina Amado disse...

Eliana, vim aqui retribuir sua visita ao meu blog, e conhecer o seu. Gostei muuuuito de encontrar a galera toda aqui nos comentários - Bernardo, Ivonete, Nilson, Chorik.... Menina, o que estou perdendo, só agora vindo aqui! Gostei dos seus textos e da sua imaginação, viu? Vou voltar.
PS - Quando você colocar comentários em outros blogs, escolha a opção "Conta do Google", abaixo do comentário. Assim, o blogger cria um link junto do seu nome, que traz o interessado direto pra cá. Como o seu não tem, foi difícil pra mim chegar até aqui, talvez tenha sido pra outros também.
PS2 - Fiquei com vontade de ler seu livro;

Anônimo disse...

Your blog keeps getting better and better! Your older articles are not as good as newer ones you have a lot more creativity and originality now keep it up!