sexta-feira, 14 de agosto de 2009

Roteiro 1

Da varanda ela podia ver os restos da festa. A piscina estava cheia de destroços: copos plásticos, restos de roupas, sapatos, frutas e balões de várias cores, muitos balões. Tirou os óculos e tentou limpá-los com a camiseta. As lentes ficaram cheia de fiapos e ela focalizou um corpo próximo do bar da piscina e apertou os olhos na ilusão de que assim veria melhor. A técnica funcionou e logo deu um grito surdo: a cor da roupa colada àquele corpo era branca e o contraste com o sangue espalhado não deixava dúvidas: ele cumpriu a promessa e matou Estela.

3 comentários:

Pierre C. Cortes disse...

Vou resumir seu texto em 3 palavras: Fantástico, fantástico, fantástico.

Chorik disse...

O twitter foi feito procê amiga, sua escrita mínima é insuperável. E que marcador é esse? Coleção argumentos e crimes? Uaus! Bj

Lidi disse...

Embora algumas pessoas pensem que narrativa policial é apenas aquela que possui a figura de um detetive, o que você escreveu foi um maravilhoso mini-conto policial. Adorei. Um beijo, Eliana.