sábado, 22 de agosto de 2009

Instruções para Ana gritar

Expulse os mais velhos do recinto. E aceite o esmalte vermelho nas unhas. Selecione a ária, no trecho mais agudo. Deixe a música bem alta e algumas panelas com água, para ferver. Organize os cristais em fileiras bem ordenadas. Retire todo o dinheiro do banco. Marque horário urgente com o psiquiatra. Não lave os tênis que ainda estão sujos de lama. Fure os quatro pneus do seu carro. Deixe as chaves da casa com o porteiro. Avise os amigos que precisa viajar. O vinho mais barato e os pastéis mais oleosos para provocar o vômito. Todas as cartas devidamente seladas. Compre xarope expectorante. É estritamente necessário que o banheiro esteja impecável. Lençóis claros. Nada de velas, nem incensos.

Então, escolha um dos cantos da casa. Olhe para o alto. Faça de conta que está gargarejando. Comece a rir e esteja rindo, às gargalhadas ao relembrar a cena explícita, quando soube que estava grávida. Puxe os cabelos. Bata com o martelo nos dois pés e então, grite.



Ana e eu, em nossas conversas com Córtazar

2 comentários:

Conversa disse...

Nunca fiz nada disso mas me vi nesse sem o fôlego de dentro no ar sem pausa me revirando no seu você endoidecida aí nessa de rir depois de coisas depois de outras do depois do após entregar a gente pra gente mesmo fazer o que bem entender do nós em si mesmo e nada e tudo e tudo so

Lelena Lucas disse...

Adoro as instruções do Cortázar e as suas estão bem divertidas. Uma vez escrevi "instruções pro Deus se acaso eu ficar bem velhinha" - tá no blog (março de 2008). São instruções de outra natureza.