domingo, 22 de março de 2009

Exercício frutal 2

Encomendado pelo Chorik

Se você olha e vê apenas um objeto, então o abacaxi é uma metáfora. Da beleza que há nas coisas indecifráveis. Uma casca desagradável, que desanima. Uma aparência de enfeite, que não provoca desejo de morder nem de beijar. Uma fruta que enfeita o centro da mesa. O miolo do abacaxi é terra inóspita que atrai os loucos. Desses que escalam montanhas e vivem em terras frias. Para ler o abacaxi, estranha fruta, abre-e o miolo ao pensamento. É a própria exposição do amor, aquela polpa: o risco de encontrar doçura, o risco de encontrar, misturado ao mel aparente , o puro azedume. Sabor áspero de traição ou abandono. E uns espinhos, para testar a força de quem ama. Abacaxi, agora, nesta leitura, pode ser o amor pela superfície. A trajetória de algo que oscila entre a beleza e o equívoco.

9 comentários:

Anônimo disse...

Voto no equivoco! prosa dessa e falar de Amor, romantizando, só pode ser equívoco. Paixão é F,..., Amor não é nada disso- tem um discurso que o diz e um termo que o resume: RESPEITO. pelo outro, pelo bem estar do outro, ao ponto de trocar a nossa vida pela do ser amado! caso não se verifique, amor o cacete! falar todo mundo fala, mas ninguém diz. insisto. peço desculpa.

Anônimo disse...

nisto estou dando uma certa razão a alguém a quem julguei. qlguém que nunca, felizmente, falou em amor!

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
rm disse...

Tô gostando bem dessa série "salada de frutas"... rss

A propósito: pera, uva ou maçã?

Eliana Mara Chiossi disse...

Você me salva.
Estou gostando do exercício.
Ainda insisto: isto aqui é um texto de ficção.
Se a vida parece estar presente aqui também, não é culpa minha.
Anônimo: você está viajando a mil, né?
De qualquer modo, bem vindo!

aeronauta disse...

Ponge deve adorar (onde ele estiver) esses seus exercícios frutais! Esse do abacaxi é maravilhoso!
P.S.: Não, não estava no lançamento. Minha irmã e meu sobrinho foram. Infelizmente não pude ir.

Anônimo disse...

claro que estou viajando a mil. por isso pedi desculpa... leio diariamente o que escreve e, curiosamente, identifico muito de sua ficção em minha realidade. o que só mostra o quão bem escreve pois capaz é de transpotar-nos para dentro, sentindo suas palavras como se fossem nossas. não é disso que se trata o génio na arte em geral e, em particular, na literatura? parabéns.

Chorik disse...

Vai cumprir encomenda assim rápido! rs
Obrigado pelo abacaxi que tu me destes. Saboreei-o imensamente, com um bocadinho de hortelã.

Renatinha disse...

"O mundo é gentil com a beleza/Põe a mesa, arruma a sala, exala compreensão/Tudo se faz possível/A beleza pode esconder o mau, o sujo e o desprezível/E ainda assim, só por ser belo, faz parecer incrível/O mundo gosta da beleza fácil/Do que é superprático/Banalidade rara/Superfície clara/Do que se vê logo de cara/E nunca se enxerga"...O abacaxi me lembrou essa musiquinha de Zélia Duncan. Como eu gosto do imprevisível sabor debaixo da casca! E, do pão, o melhor é o miolo...Por um mundo sem superfície!!!