segunda-feira, 9 de março de 2009

Emergência

Sofrer na própria pele também é aula sobre a dor alheia. Posso me transportar, compassiva, para o lugar das fogueiras e das torturas. Lugar desconfortável. Não gosto de me fixar. Apenas tocar, de leve, a extensão imaginada da dor do outro. Sofrer na própria pele para ouvir melhor os lamentos estrangeiros.

2 comentários:

Maria Muadiê disse...

Você é feliz, pode triscar. E quem por pura falta de sorte é permeável e mesmo sem querer permite passagem?

Patty Diphusa disse...

É o sofrer na pele alheia? Sentir a dor que é sua?


Bjs