quinta-feira, 16 de outubro de 2008

Piano

Acordo relembrando cenas de um sonho insólito. Quero desenhá-lo e não consigo. Não sou capaz de descrever o que meu corpo registrou. Olho para o piano e sei que sonhei música. Sentada diante de todas as teclas, desaprendo. Retorno ao tempo de ignorância absoluta, quando o desfile das palavras eram seqüências de gritos sem tradução. Não sabia ler e ainda assim, pressentia o secreto e amplificado livro que a vida exibia, através de todos os objetos feitos com palavras. O piano me nega seu discurso. Minhas mãos cegas tocam as teclas- signos, buscando falar através de suas vozes. E deste contato de minhas mãos ingênuas com os poderes instalados na franja do instrumento, emerge a distância entre o que sou e o que o piano é. Não sou o Deus deste mundo e então todas as músicas, que inauguram infinitas realidades, me abandonam. As teclas dizem, diante da minha inabilidade, que devo voltar ao lugar de onde o desejo veio. Sonhar a música não é possuí-la.

12 comentários:

KiranLaxmiAnand disse...

Hi E!

I liked the term - 'returning to absolute ignorance.' & Dreaming of music.

/Kiran

Amèlie disse...

Voltar ao lugar de onde o desejo veio!

Eu adoraria achar sempre o caminho de volta, mas não são raras as vezes que eu me perco no labirinto.

Quisera eu que houvesse alguém que me entregasse um novelo linha de costura para poder sair dos labirintos, tal qual Teseu o fez com a ajuda de Ariadne.


Um beijo muito especial para você, hoje!

rm disse...

Lindo texto, como o anterior, Elianinha.

Coisa de gente grande e que sabe escrever.

Eliana Mara disse...

RM

quando você não passa por aqui, fico sentindo falta de algo.
Já estava meio tristinha com sua ausência nos milagres.
Você sabe disso, não sabe?


Beijos!

Eliana Mara disse...

Amèlie:


vizinha do coração e dos delírios,
temos um alfabeto que é só nosso, já percebeu?
Fica assim, mais perto, sempre!

Faz bem!

Quando vamos escrever juntas????

Eliana Mara disse...

Kiran


I liked your words here, your presence.
In the air, fragrance of a new friendship is coming.

Celine disse...

Ai! Perfeita!

Eu quero chegar onde vem o meu desejo.

beijoss

Filó disse...

Bravo, Eliana Mara!

Belo texto, traduz com perfeição essa nossa sensação permanente de imperfeição, né?

Linkei vc e deixei habilitada aquela linha que informa sobre o horário do post. Estava lá "uma hora atrás". Vim correndo! Tinha perdido uma hora inteira! rsrs

Beijo,
Filó

Amèlie disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Amèlie disse...

Li,

Doidinha pra ler Borges com VOCÊ!!!

Vamos amadurecer de vez isso?


Beijos!

Denise do Egito disse...

Eliana Mara,
Adoro passar aqui. Adoro a foto da chuva na janela, amo o título do blog e seus textos são presentes, que dão um toque de poesia e brilho às minhas tardes aqui no trabalho. Obrigada.
Vou linkar você no Papo Calcinha, tá?

Um beijo e um excelente fim de semana!

Eliana Mara disse...

Denise,

parece chuva de confetes, entre amigas???
Pois é isso mesmo.
Gosto de você, gosto de saber que você gosta de mim, quero que você esteja sempre aqui e quero estar sempre lá, perto de você.
E pronto!
Beijos no coração!