quarta-feira, 26 de setembro de 2007



Anéis de Saturno:

Havia luz e gente demais. Meu ouvido muito próximo dos teus lábios, plantando em mim sementes de uma poesia estrangeira, cálida e possessiva. Antes da tradução, antes ainda da decifração, eu encontrava a legenda feita de cada movimento da sua boca e dos teus olhos cúmplices. Lembro de tudo em verde e vermelho, duas taças espalhadas sobre uma mesa esquecida.

4 comentários:

anarresti disse...

a tua escrita é cintilante, tão, tão bela. e neste caso, um pouco enigmática.

abraço
[é inevitável: anéis de saturno faz-me lembrar a canção da Rita Lee]

mari celma disse...

Ninguém pode se considerar sozinho diante de teus anéis de saturno!

Maria Velho disse...

Eliana

Considera-te visita honorável!

Bem-Vinda...e eu faço-me tua convidada, certo?

Um beijo.

Maria Velho disse...

A explanação sobre poesia está sucinta e , ao mesmo tempo, bem ilucidtiva.
Muito obrigada!