terça-feira, 30 de setembro de 2008

Viagem de Lídia parte 9

Lídia sempre soube que o saldo bancário era o grande diferencial. E isso a excitava, mais do que tudo. A liberdade de negar, a liberdade de mudar os planos. E o prazer, indescritível, de ter o poder nas mãos. E foi com este poder que ela definiu todo o roteiro do encontro com João. Um moço bonito, músculos definidos e pele delicada. Ele era um DJ famoso. Preparou para Lídia uma seleção de músicas que ouviriam na estrada. Havia uma tatuagem no seu braço esquerdo. O par de brincos dava ao conjunto quase perfeição. E este era o homem que fazia o corpo de Lídia se agitar. Quando Lídia o viu sair do táxi, naquela manhã radiante, esbanjando sol, teve que se conter. O coração saltava, a adrenalina era quase incômoda. Todo o corpo de Lídia pedia aquele homem. A decisão já estava tomada. Neste caso, ela ficaria mais de uma noite. Entraram no hall do hotel, onde ela se hospedara, apenas o tempo suficiente para um café e pequenos acertos da viagem. João estava visivelmente nervoso. E Lídia não facilitou nem um pouco. Queria levá-lo neste estado, durante toda a viagem. Pediu que ele dirigisse seu automóvel de luxo. Sabia que era um brinquedo sedutor, para o homem cuja juventude era quase um excesso. Duas horas depois, Lídia entrava com João dentro do quarto da pousada. Um lugar escolhido com esmero, para impressioná-lo. O espaço já iniciava a sedução. Uma teia pronta para fisgar aquele peixe agitado. O começo da tarde convidava ao mergulho. Na piscina, o corpo de João, exposto ao sol, provocava os desejos de Lídia, já impaciente. Era preciso beber, para deixar de lado qualquer resíduo de tensão. Quando voltaram para o quarto, havia um banho preparado anteriormente, a pedido de Lídia. Na banheira amadeirada, velas, aromas, flores. A música, devidamente escolhida para compor o clima e uma garrafa do melhor champanhe, na temperatura ideal. João era um menino travesso, um menino brincando no seu playground particular. Lídia fez-lhe todas as vontades. Lídia se transformou na cortesã mais dedicada. E o que Lídia recebeu era de tamanha força, era tal a explosão sexual daquele homem, que chegou a pensar em desistir dos seus planos de mais uma vez, deixar o país.

7 comentários:

rm disse...

O poder do dinheiro superado pelo poder da paixão?

Nunca presenciei, mas acho possível sim. Femininamente possível.

Eliana Mara disse...

Mas já viu que a mulher ficou toda mexida?
Acho que feminino é essa fusão de poder e paixão!
O dinheiro são as asas de Lídia!

Celine disse...

Femininamente possivel. Porém não abandonado de todo. rsrs

Lidia sempre mulher maravilhosa. Hedonista. Intensa.
Adoro

beijos, flor.
Nosso café, semana que vem, viu?

Flavinha disse...

É gostoso e perturbador quando a paixão supera o poder :)

Beijos!

Filó disse...

Sim Eliana.

O possível é o encontro, de peles que se cheiram, se recionhecem, se desejam e ardem.

É apenas no desejo em que deixamos nosso ser "humano" de lado e (re)descobrimos nossa essência, simples e animal.

Nada tem tanta importância. Muito mais do que a sedução, calculada ou não, bem mais que a conquista, racionalizada ou não, o importante quem diz é o corpo...

Beijo,
Filó

Eduardo Corrêa disse...

Ei, estou estreando hoje uma nova idéia no Orkut. Eu percebi que os comentários em nossos blogs viam sempre das mesmas pessoas, então resolvi criar uma comunidade no Orkut pra gente conversar, se conhecer e ler os blogs alheios.

Além disso, temos ainda um incentivo, o Blog da Semana. Quem ganhar, vai ganhar um selo bem legal!

Se quiser participar, está convidado (a)!:

http://www.orkut.com.br/Main#Com...px? cmm=55662902

Anônimo disse...

Oi, Eliana!!!

Hoje fui lá no erreeme (levei maior susto quando vi, tô mesmo sumida) e, claro, tinha que passar também aqui.

Saudades, quando apareces para mais um encontro literário-etílico?

Beijos,
Luciana G.