domingo, 6 de julho de 2008

Noite de domingo

Para RM, e ele sabe o porquê


O domingo começa a fechar as portas. Algumas pessoas olham pela janela, e fazem um balanço. Tentam medir a eficácia da semana que passou. Irão para a cama, carregando no peito dor não dissolvida. Outras tantas, terão medo de enfrentar a correria diária. Já temendo as humilhações previstas, das quais não podem fugir. A empregada doméstica imagina que vai encontrar a casa dos patrões bastante bagunçada. Como se estivessem já contando com sua mão de obra, mesmo no dia de sua folga. Ao imaginar-se entrando na cozinha da casa muito rica, pressente a afronta da louça suja. Restos de comida pelo chão. Uma indecência.A menina de oito anos não conseguiu fazer a lição e sente dores de barriga. Pede para ficar em casa, chora, usa todos os artíficios. Mas só consegue ser advertida, com gritos cansados, da mãe, entristecida porque o marido ainda não chegou e provavelmente está em algum motel com a amante . O homem ouve mais uma vez a cobrança da mulher exigente. Ela nunca vai compreender que estar desempregado é pior do que estar morto. O domingo fecha as portas da semana. As pessoas fecham as janelas. Muitas desejariam que não houvesse outro dia, para recomeçar.

4 comentários:

rm disse...

Sim, sei.
Claro, depois de um certo esforço (inútil) e alguma providencial ajuda em forma de desenho... rss

Quanto ao texto, não sei o que comentar. Mas a vida é feita de muitos domingos e segundas-feiras.

rm disse...

Ah, desculpe: agradeço muito a dedicatória e ainda mais o "marcador".

Luciana G. disse...

Ei, Eliana, vim bater o ponto. rsrsrs

EU não sei, mas adorei o texto!

beijos

Jaqueline Vasconcellos disse...

Amiga, queria que isto não fosse verdade, mas sou tão prisioneira desta vida, como descrita no texto, que é capaz de ser assim, com rm e com os demais seres viventes deste mundo. Vai em meu blog, v~e o que ando escrevendo. Saudades suas. Vamos concretizar o reencontro?