terça-feira, 11 de março de 2008

Astronauta

Foi rejeitado por mim no primeiro encontro. Que roupas estranhas. E um jeito de nunca pisar no chão. Conhecia a terra toda vista do alto, em miniatura. Administrava um satélite e pesquisou por anos inteiros as rotinas de moradores de um grande condomínio. Concluiu, em seus estudos, um desinteresse pelas polêmicas. Hoje é meu professor sobre coisas do céu e é aquele que amansa meu coração. Recolhe no seu abraço meus dias de medo, meus dias de inferno, meus dias de mágoa. E me ensina a dançar nas horas de benção, nas horas de gozo, nas horas de fé. Em estado de amor, gosta de maturações. Me faz acreditar em paixão e aparições noturnas.

3 comentários:

Mr. Almost disse...

Que lindo! Você é tão romântica!... Gosto disso!

Vou guardar na minha nave espacial um lugar vago para você. Quem sabe se, numa aparição, você viaja um dia ao meu lado...

Eliana Mara disse...

Mr Almost

Teus comentários, quase que sem série, na noite anterior, são complementos do post e provocam outras escritas.
Agradeço tua presença aqui.
Beijos. E quanto à nave, estou com passaporte azul, liberada para viagens especiais.

Eliana Mara disse...

Correção:
"quase que em série".


bjs.