terça-feira, 19 de fevereiro de 2008

Idêntica

Quero aprender a amar uma mulher. Para evitar enfartes e enxaquecas. Para evitar vazios de infinito preenchimento. Vou amar uma mulher. Não o corpo que ela contém. Quero entrar na escola onde se ensina a amar uma mulher e amá-la como eu desejo que você me ame. Vamos marcar um dia, na casa onde ela mora, e faremos as tarefas. Vamos sair para comprar cadernos e mil canetas coloridas. Chegaremos na escola e enquanto o professor passa quilômetros de filosofia e metodologia cientítica no quadro, em torno de nossos olhares cúmplices, criaremos mil formas de escrever amor, em letra cursiva. Nas margens dos cadernos, espalharemos delicadezas, todo o zelo e todo brilho.

2 comentários:

Amèlie disse...

Inscrições abertas? Hã?


Risos

Amèlie disse...

Em tempo:

Não vamos enlouquecer, nem nos matar, nem desistir. Muitíssimo pelo contrário: vamos ficar óteeeemas e incomodar bastante ainda. Rssss.